Publicado em 25 d Janeiro d 2018

Febre amarela: Atibaia alerta visitantes de parques a tomarem vacina

Áreas de matas, de trilhas, parques rurais e urbanos, a exemplo do Edmundo Zanoni, são foco da ação de prevenção de saúde

Um dos locais que a Prefeitura colocou faixas é o Parque Edmundo Zanoni

Medidas educativas, com a instalação de faixas em parques urbanos e rurais, além de áreas rurais e de matas onde existam cachoeiras e o hábito de realização de trilhas, foram adotadas em Atibaia nos últimos dias para melhor orientar moradores e turistas, já que a vacinação contra a Febre Amarela deve ser feita dez dias antes da exposição a locais onde existe a possibilidade de circulação viral no ciclo silvestre, em que os vetores são os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes.

A mesma medida já foi adotada pelo Governo do Estado de São Paulo que, após o fechamento de alguns parques, reabriu muitos deles, mas com o alerta de que o acesso deve ser feito somente por pessoas vacinadas a mais de dez dias.

De acordo com a Vigilância Epidemiológica de Atibaia, o Parque Edmundo Zanoni, apesar de ser urbano, encontra-se em um contínuo de mata. Nessas áreas de mata, a exemplo da região da Nossa Senhora do Sion e Itaperí, estendendo-se até a Juca Peçanha, próximo ao Parque, houve a necessidade de maior atenção.

A Secretaria de Saúde de Atibaia trabalha com o levantamento de possíveis locais de infecção e, para isso, são levados em consideração os indícios de circulação viral, que são: macacos mortos confirmados (com exame positivo); humanos que foram a óbito com confirmação de Febre Amarela ou casos suspeitos. A partir desses indicativos, medidas de segurança são adotadas.

“Solicitamos a presença de técnicos da Superintendência de Controle e Endemias (Sucen) para nos apoiarem em ações de vigilância entomológica, especialmente a coleta de mosquitos para a identificação das espécies que circulam nas áreas de mata do município. Essa ação faz parte da vigilância entomológica e por meio dela busca-se identificar os mosquitos e compreender o ciclo biológico”, esclareceu a médica infectologista e gerente da Vigilância, Rita Bergo.

“No Parque Edmundo Zanoni houve o relato de um casal de jovens de outro município (que está em acompanhamento, com suspeita da doença, mas sem confirmação), como possível área de contaminação. A Secretaria entrou em contato com esses pacientes e eles informaram terem passado pelo Parque, além de outra cidade. Afirmar ou descartar que há a circulação de mosquito silvestre com carga viral no Parque, no entanto, só será possível após o resultado das amostras coletadas pela Sucen”, afirmou a infectologista.

“Os mosquitos constituem um dos mais importantes grupos de insetos de interesse para a saúde pública, devido ao seu envolvimento na transmissão de agentes causadores de malária, filariose, febre amarela e dengue, doenças que atingem milhões de pessoas no mundo. Além disso, em áreas urbanas e periurbanas, causam grandes transtornos às populações humanas devido ao incômodo provocado pelas picadas das fêmeas”, destacou a gerente.

A coleta dos mosquitos, além da pulverização para combate à proliferação desses, foi feita pelos técnicos da Sucen, tendo início nesta terça-feira (23), no Recanto dos Palmares, região do Bairro do Portão, onde houve casos de Febre Amarela em humanos.

Deixe seu comentário

Para postar um comentário, você precisa de uma conta.
Faça login
ou
Registre-se

Enquete

  Você é contra ou a favor do comércio em praças públicas?

A FAVOR
CONTRA

Última Edição

  Digite seu email abaixo para receber mensagens periodicamente com nossas últimas noticias:


Notícias por Data

Jornal O Atibaiense ©

Rua Deputado Emílio Justo, 280 - Nova Aclimação - Atibaia - SP - (11) 4413-0001