Publicado em 21 d Fevereiro d 2018

Os desafios do comércio exterior para as pequenas empresas

Por Wagner Casemiro

Ilustrativa

Para começo de conversa, o comércio exterior é investimento, cujo retorno é de longo prazo. Sem dúvida, apresenta desafios para qualquer empresa, principalmente para as micro e pequenas empresas.
Se os obstáculos parecem maiores, é importante que a pequena empresa descentralize decisões e melhore seus padrões de gestão. A decisão de atuar em mercados externos é uma escolha estratégica, mas exige comprometimento de todas as áreas da empresa, exploração de todo o seu potencial e atitude competitiva.
Outro aspecto fundamental é a atualização tecnológica. Para chegar bem no mercado externo e enfrentar os concorrentes, a operação e os produtos devem ter características contemporâneas compatíveis, seguindo metas de produtividade.
Um alerta indispensável é que o mercado externo não costuma absorver exatamente o mesmo produto vendido no mercado doméstico. Alterações são frequentemente necessárias em design, matéria-prima, acabamento, composição, dimensões, cores, quantidades na embalagem, entre muitas possíveis solicitações. Nesse esforço, é comum a empresa produzir amostras e enviá-las ao importador antes mesmo que o negócio seja concretizado. As MPE precisam estar preparadas para isso.
Esse foco não se deve apenas ao objetivo de atender aos gostos e preferências de clientes externos, mas também de cumprir normas e especificações técnicas do país de destino, que podem estar ligadas à higiene e saúde, segurança, prevenção de acidentes e controle de impactos ambientais. Ou seja, mais desafios: conhecer as normas técnicas dos países de interesse, realizar as modificações e obter as certificações de adequação. Em outras palavras, conhecer a legislação e a burocracia do mercado-alvo é algo inerente às operações de comércio internacional.
No comércio internacional, as modalidades de pagamento e a logística são mais complexas, aumentando o prazo do ciclo de produção, venda e recebimento do pagamento. Isso demanda maior capital de giro da empresa exportadora para manter esse ciclo e nem sempre as MPEs têm o capital necessário disponível. Em alguns casos, o próprio processo de produção é longo, aumentando esse ciclo.
Se você está mirando a venda internacional, a dica é se planejar, analisar seus métodos de gestão e movimentar os setores de sua empresa em torno do objetivo.

* Wagner Casemiro é formado em Administração, habilitado em Comércio Exterior, Marketing e Gestão de Pessoas, Professor Universitário e Consultor Empresarial. E-mail: wagnercasemiro@yahoo.com.br.

Deixe seu comentário

Para postar um comentário, você precisa de uma conta.
Faça login
ou
Registre-se

Enquete

  Você é contra ou a favor do comércio em praças públicas?

A FAVOR
CONTRA

Última Edição

  Digite seu email abaixo para receber mensagens periodicamente com nossas últimas noticias:


Notícias por Data

Jornal O Atibaiense ©

Rua Deputado Emílio Justo, 280 - Nova Aclimação - Atibaia - SP - (11) 4413-0001